Análise Musical: Dance of Death

22 de dezembro de 2011

Ei galera! Bom, o blog andou um pouco parado devido a minha falta de tempo, fim de ano é sempre muito corrido. Mas hoje estou de volta e com um quadro novo no blog, Análise Musical, nele vou fazer análise de algumas letras de música, falar um pouco da história da letras e algumas curiosidades.
A letra que eu escolhi para iniciar com o quadro é Dance of Death do Iron Maiden.
Não conheço todas as músicas do Iron Maiden, mas das que conheço, Dance of Death é uma das que me desperta uma curiosidade. Sempre que escuto a música, já passa um clip na minha mente, com cenas que me vêem ao ouvir a letra. Enfim, esse será um quadro que vai me fazer pesquisar bem sobre bandas, fatos históricos, e acontecimentos (coisa que gosto muito! haha) pra que eu não fale nenhuma "besteira" pra vocês.

Mas vamos ao que interessa!
O álbum Dance of Death foi lançado em 2003, e não foi um álbum muito inovador, não trouxe nada de muito grandioso, foi um álbum feito exclusivamente para os fãs do Iron. Ele foi o segundo album lançado após a volta do Bruce. Particularmente eu acho um álbum bom, tirando a capa, que é uma das menos criativas e não faz jus ao conteúdo musical. Enfim, vamos parar de falar do álbum e vamos à música.

Com o mesmo nome do álbum, Dance of Death é a quinta faixa do disco, letra de Janick Gers e Steve Harris. Tenho que ser honesta e dizer que já ouvi essa música muitas e muitas vezes, e ela me fascina,  sei que ela não chega aos pés dos grandes sucessos do Iron como Fear of the Dark, Hallowed be by the Name e outras, mas quando escuto Dance of Death sinto uma conexão diferente com a música.
Pra quem nunca ouviu...



Vou colocar apenas a tradução da letra, porque é a parte que mais interessa:

Dança da Morte

Deixe-me contar uma história de arrepiar
Sobre uma coisa que eu vi
Uma noite vagando pelos pantanais
Eu tinha bebido um drinque, nada mais


Eu estava divagando, aproveitando a brilhante luz da lua
Olhando as estrelas
Não percebi a presença tão perto de mim
Observando cada movimento meu


Com medo eu cai de joelhos
Enquanto alguém correu de trás das árvores
Levou-me para um lugar profano
E foi lá que eu cai em desgraça


Então eles me invocaram para juntar-me a eles
À dança dos mortos
Para dentro do círculo de fogo eu os segui
Para o centro eu fui levado


Como se o tempo tivesse parado
Eu ainda estava entorpecido pelo medo mas eu ainda queria ir
E as chamas do fogo não me feriram
Enquanto eu andava sobre o carvão


E eu senti que estava em transe
E meu espírito foi levado de mim
Se alguém ao menos tivesse a chance
De testemunhar o que aconteceu comigo


E eu dancei e eu pulei e eu cantei com eles
Todos tinham a morte em seus olhos
Figuras sem vida todos eles eram mortos-vivos
Eles vieram do inferno


Enquanto eu dançava com os mortos
Meu espírito livre estava rindo e uivando para mim
Sob meu corpo morto-vivo apenas dançava o círculo dos mortos


Até que chegou a hora de nos reunirmos
Meu espírito voltou para mim
Eu não sabia se estava vivo ou morto
Enquanto os outros juntavam-se a mim


Por sorte uma confusão começou
E desviou a atenção de mim
Quando eles desviaram o olhar de mim
Foi o momento em que fugi


Corri como nunca, mais rápido que o vento
Mas eu não olhei para trás
Uma coisa que eu não me atreveria
Era olhar apenas para frente


Quando você sabe que sua hora chegou
Você sabe que estará preparado pra isso
Diga seu último adeus para todos
Beba e reze por isso


Quando você está deitado em seu sono, quando você está deitado em sua cama
E você acorda de seus sonhos para ir dançar com os mortos
Quando você está deitado em seu sono, quando você está deitado em sua cama
E você acorda de seus sonhos para ir dançar com os mortos


Sobre este dia eu acho que nunca saberei
Por que eles me deixaram partir
Mas eu nunca mais irei dançar
Até que eu dance com os mortos.

Vamos agora a análise.
Pesquisei bastante pela internet. Dance of Death, ou Dança da Morte ou também Dança Macabra, fala sobre uma pintura chamada  'A morte de Lübeck'.
Feita por Bernt Notke, mostrava a morte, em uma sequência com 24 seres humanos, de todas as classes sociais, do Papa ao camponês, dançando com a morte, sutilmente representada por esqueletos. A pintura tinha 30 metros de comprimento, composta por imagens e textos. Ela foi destruída durante a 2° Guerra Mundial, que era apenas uma cópia da medieval original de 1463.A Pintura apresentava a morte muito animada e ágil, dando a impressão de que todos os esqueletos estivessem realmente dançando, e seus parceiros desajeitados e passivos.

A ligação entre a música e a pintura é a seguinte: no início o "personagem" em questão quer contar uma história, sobre uma coisa que ele viu. Ele havia bebido, e não sabia se isso havia influenciado ou não no que ele havia visto ou presenciado. Ele estava andando por um pântano, e percebe que está sendo observado, sendo seguido.
Com medo, ele cai de joelhos, onde então ele é levado para um local profano, lá ele cai em desgraça, quer dizer que nesse instante ele morre.
"Então eles me invocaram para juntar-me a eles
À dança dos mortos"
Seu espírito é invocado para a dança dos mortos, todos dançam envolta do círculo de fogo. O tempo havia parado, ele tinha medo de acompanhar aquelas pessoas e sua dança, ele se sentia entorpecido, mas ele queria ir.
A certeza de sua morte vem com o seguinte trecho:
"E as chamas do fogo não me feriram
Enquanto eu andava sobre o carvão"



Ele percebe que morreu, e sente que seu espírito foi levado. Ele sabia que aquelas pessoas também já haviam morrido.
"E eu dancei e eu pulei e eu cantei com eles
Todos tinham a morte em seus olhos
Figuras sem vida todos eles eram mortos-vivos
Eles vieram do inferno

Enquanto eu dançava com os mortos
Meu espírito livre estava rindo e uivando para mim
Sob meu corpo morto-vivo apenas dançava o círculo dos mortos"
Morto ele se sentia livre, então se entregou à dança dos mortos. Quando chega o momento em que vão se reunir há uma confusão, desviando a atenção que havia sobre ele, é quando ele percebe que pode fugir, fugir da morte e corre. Corre o mais rápido que pode, tentando salvar sua vida. Ele não se atrevia a olhar para trás, ele tinha que salvar sua vida. 
A música trata como se fosse um experiência de quase-morte, assim que eu vejo. 
Ele morreu, mas voltou a vida, porque ainda não era a hora de sua morte.
É como se fosse um recado, aproveite enquanto pode.
Não era a hora dele morrer, por isso voltou. 
Quando dormimos, "morremos" por um tempo, mas voltamos à vida. Dormir para sempre é morrer e dançar com a morte. 
Ele não havia morrido naquele dia, ele não "dançaria" novamente, até dançar de novo com a morte.
Todos um dia morrerão, todos um dia dançarão com a morte, e como diz na música, quando sua hora chegar, você deve estar preparado para isso, dar um ultimo adeus a todos e vá dançar com a morte.

4 comentários:

  1. iae..
    Curti o Blog.. vou ir dando uma fragada nele aos poucos, sobre esse post gostei da curiosidade sobre a música, esse album do Maiden é um album esquecido deles, nunca procurei nada sobre ele, sempre so escuro a Rainmaker que acho muito boa.

    Parabens pelo blog \m/

    ResponderExcluir
  2. Olá adorei seu blog,fico feliz que ainda existem mulheres que curtem o verdadeiro rock n roll, me add ai no msn: mcjp_itap@hotmail.com

    ResponderExcluir
  3. essa musica é a mais sinstra da história, sensacional.. recomendo também moonchild-iron maiden no msm estilo!

    ResponderExcluir
  4. Iron Maiden Minha Vida5 de maio de 2012 18:17

    legal gostei agora sei mais sobre uma das minhas musicas favorita do Maiden ,Dance of Death
    ela ta sem duvida no meu top 5 de musicas favoritas do Maiden ,i olha que eu curto tadas musicas do Maiden com o Dickinson sou muito fan da banda ,minha banda favorita

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Theme Base por Erica Pires © 2013 | Powered by Blogger | Todos os direitos reservados | Melhor Visualizado no Google Chrome | Topo